Câncer de mama (Neoplasia maligna da mama): o que é?

Doutor Já Avatar

Doutor Já

Redação
Câncer de mama (Neoplasia maligna da mama): o que é?

O que é neoplasia?

Um neoplasma é um crescimento anormal de células, também conhecido como tumor. As condições que causam o crescimento do tumor podem ser tanto benignas quanto malignas. Nesse artigo, trataremos especificamente do câncer de mama (neoplasia maligna da mama).
Os tumores benignos são tumores não cancerosos. Eles geralmente crescem lentamente e não podem se espalhar para outros tecidos. Os tumores malignos são cancerosos e podem crescer lentamente ou rapidamente. Os tumores malignos carregam o risco de metástase, ou se espalham para vários tecidos e órgãos. 

 

Entendendo a neoplasia maligna da mama (tumor maligno)

O câncer de mama começa quando as células na mama começam a crescer descontroladamente. Essas células geralmente formam um tumor que geralmente pode ser visto em um raio-x ou sentido como um nódulo. O tumor só é maligno se as células:

1- Invadirem outros tecidos do seu corpo

2- Se espalharem (metastatizar) para áreas distantes do corpo.

A maioria dos casos de câncer de mama ocorre em mulheres, mas homens também tem câncer de mama.

 

Não tem Plano de Saúde? Conheça agora o Cartão Doutor Já!

Chances

Células em praticamente quase todas as partes do corpo podem virar câncer e se espalhar para outras áreas. Para aprender mais sobre câncer e como os cânceres começam e se espalham, continue lendo.

 

Onde o câncer de mama começa

Os cânceres de mama podem começar em diferentes partes da mama. A maior parte dos cânceres começa nos ductos que levam o leite ao mamilo (cânceres ductais). Alguns começam nas glândulas que fazem o leite mamário (cânceres lobulais). Também há alguns outros tipos de câncer de mama que são menos comuns.

Um pequeno número de cânceres começa em outros tecidos da mama. Esses cânceres são chamados de sarcomas e linfomas. Geralmente, eles não são realmente pensados como cânceres de mama.

 

Como saber?

Apesar de muitos tipos de cânceres de mama poderem causar nódulo na mama, nem sempre é assim. Muitos cânceres de mama só são encontrados em mamografias de rastreamento. Elas podem descobrir um câncer precoce antes que os sintomas se desenvolvam.

Também é importante saber que a maior parte dos nódulos mamários são benignos e não malignos (câncer). Tumores mamários não cancerosos apenas ficam na mama e não apresentam risco de vida. Alguns nódulos mamários benignos, porém, podem aumentar o risco da mulher ter câncer de mama. Qualquer nódulo mamário ou mudança precisa ser checado por um médico, para determinar se ele é benigno e poderá afetar o seu risco de câncer no futuro ou maligno (câncer).

 

botão cartão Doutor Já

Uma Alternativa aos Planos de Saúde

 

Como os cânceres de mama se espalham

O câncer de mama pode se espalhar quando as células cancerosas entram no sangue ou no sistema linfático. É aí que elas são carregadas para outras partes do corpo.

O sistema linfático percorre todo o seu corpo. O fluido dentro dos vasos linfáticos, tem subprodutos de tecidos e resíduos, bem como células do sistema imunológico. Os vasos linfáticos transportam o fluido linfático para longe da mama.

 

Sistema linfático

Quando a pessoa tem câncer de mama, as células cancerosas podem entrar nesses vasos linfáticos e começar a crescer. A maioria dos vasos linfáticos da mama escoa em:

– Linfonodos abaixo do braço (linfonodos nos prolongamentos axilares)

– Linfonodos ao redor da clavícula (supraclavicular [acima da clavícula] e linfonodos infraclaviculares [abaixo da clavícula])

– Linfonodos no peito perto do osso do peito (gânglios mamários internos).

Se as células cancerosas entram no sistema linfático, você tem uma maior chance de elas se espalharem (metastizar) para outras partes do seu corpo. Por causa disso, descobrir câncer em um ou mais nódulos linfáticos geralmente altera o plano de tratamento. Na maior parte das vezes, você precisará de cirurgia para remover um ou mais nódulos linfáticos a fim de saber se o câncer se espalhou ou não.

 

O que isso quer dizer?

Mesmo assim, nem todas as mulheres com células cancerosas nos seus nódulos linfáticos desenvolvem metástases, e algumas mulheres que não possuem células cancerosas nos seus nódulos linfáticos desenvolvem metástase depois.

 

Quais são os tipos de neoplasia maligna da mama?

Há muitos tipos de câncer de mama, que podem ser inicialmente divididos nas seguintes categorias simplificadas:

– Intralobular (epitelial e estromal)

– Interlobular

– Iinfoma da mama

– Metástase na mama

Trataremos aqui de alguns dos principais tipos:

1- Carcinoma ductal invasivo

O carcinoma ductal invasivo (IDC), às vezes chamado de carcinoma ductal infiltrante, é o tipo mais comum de câncer de mama. Cerca de 80% de todos os cânceres de mama são carcinomas ductais invasivos.

Tratamento

Os tratamentos para o carcinoma ductal invasivo se dividem em duas grandes categorias:
Tratamento locais para CDI: cirurgia e radioterapia. Tratamentos locais tratam o tumor e as áreas circundantes, como o peito e os gânglios linfáticos.
Tratamentos Sistêmicos para CDI: Quimioterapia, Terapia Hormonal, Terapias direcionadas
Tratamentos sistêmicos viajam pelo corpo para destruir qualquer célula cancerígena que possa ter deixado o tumor original e ajudar a reduzir o risco de o câncer voltar.

2- O carcinoma ductal in situ (CDIS)

É um câncer de mama não invasivo. Ductal significa que o câncer começa dentro dos dutos de leite, o carcinoma se refere a qualquer câncer que comece na pele ou outros tecidos (incluindo o tecido mamário) que cubra ou forme os órgãos internos. Já o in situ significa “em seu lugar original”.

O CDIS é chamado de “não invasivo” porque não se espalhou além do ducto de leite. O CDIS não representa risco de vida, mas pode aumentar o risco de desenvolver um câncer de mama mais tarde.
Quando você tem DCIS, corre um risco maior de o câncer voltar ou de desenvolver um novo câncer de mama do que uma pessoa que nunca teve câncer de mama antes. A maioria das recaídas ocorre dentro dos 5 a 10 anos após o diagnóstico inicial. As chances de uma recorrência são menores do que 30%.

 

Tratamento

Algumas opções de tratamento padrão para o DCIS são:
Lumpectomia seguida de radioterapia: este é o tratamento mais comum para o CDIS. Lumpectomia é às vezes chamado de tratamento conservador da mama, porque a maior parte da mama é poupada.
Mastectomia: A mastectomia, ou remoção da mama, é recomendada em alguns casos.
Terapia hormonal após a cirurgia: Estes tratamentos, que bloqueiam ou diminuem a quantidade de estrogênio no corpo, são normalmente usados ​​se o teste DCIS for positivo para receptores hormonais.
Quimioterapia: uma forma de tratamento que envia medicamentos anticancerígenos por todo o corpo, geralmente não é necessária para o CDIS. O CDIS não é invasivo e por isso não há necessidade de tratar células cancerosas que possam ter viajado para outras áreas do corpo.
Cada situação é diferente. Você e um médico decidirão qual é o melhor tratamento para sua situação. Se o DCIS for mais agressivo,o médico pode recomendar tratamento mais extenso. O mesmo se aplica se você tiver menos de 40 anos, já que a idade mais jovem pode aumentar o risco de recorrência.

 

3- Carcinoma Lobular Invasivo

O carcinoma lobular invasivo (CPI), às vezes chamado de carcinoma lobular infiltrante, é o segundo tipo mais comum de câncer de mama após carcinoma ductal invasivo. Cerca de 10% de todos os cânceres de mama invasivos são carcinomas lobulares invasivos.
Embora o carcinoma lobular invasivo possa afetar as mulheres em qualquer idade, é mais comum quando as mulheres envelhecem. De acordo com a American Cancer Society, cerca de dois terços das mulheres têm 55 anos ou mais quando são diagnosticadas com câncer de mama invasivo. Esse tipo de câncer tende a ocorrer mais tarde na vida do que o carcinoma ductal invasivo – o início dos anos 60, em oposição ao meio – final dos anos 50.
Algumas pesquisas sugeriram que o uso de terapia de reposição hormonal durante e após a menopausa pode aumentar o risco.

 

Tratamento

Os tratamentos funcionam de forma igual aos do CDI, podendo agir de forma local ou sistêmica.

Fonte: Radiopaedia, Breast Cancer e Healthline