É Possível Evitar o Alzheimer?

Doutor Já Avatar

Doutor Já

Redação
É Possível Evitar o Alzheimer?

Uma potencial cura para a doença de Alzheimer tem sido uma tarefa bem difícil e deprimente ao longo das últimas décadas. Mas e se, ao invés de focar apenas no tratamento de Alzheimer e demência após as condições cerebrais já terem se estabelecido, nós pudéssemos realmente evitá-la?

Gigantes do ramo farmacêutico (Novartis e Amgen) junto com o instituto Banner Alzheimer’s (BAI) estão tentando descobrir se um tratamento experimental chamado CNP520 pode atrasar a doença de Alzheimer nas pessoas que estão em alto risco de desenvolverem a doença – ou evitá-la completamente. Esta é a segunda geração do empreendimento da Iniciativa de Prevenção de Alzheimer (IPA) que ampliará o estudo para uma maior proporção de pessoas que possuem o gene APOE4, que é o principal fator de risco genético para a doença.

 

Buscar Médicos – Consultas e Exames com Preços Acessíveis

Dificuldades encontradas

Um dos maiores problemas no desenvolvimento de remédios de Alzheimer é a incerteza sobre a chamada “hipótese amilóide” – o modelo proposto de que um acúmulo de um tipo de placa chamada amilóide-β no tecido cerebral está na raiz da doença de Alzheimer e outras doenças relacionadas à demência. Mesmo os tratamentos experimentais que miram esta placa tiveram resultados mistos na prevenção ou reversão do declínio cognitivo dos pacientes.

Mas uma diferente abordagem pode envolver parar o acúmulo da placa amilóide em primeiro lugar- e é isso que Novartis, Amgen e BAI esperam que o CNP520 possa fazer. A segunda geração da iniciativa de prevenção de Alzheimer irá recrutar 2.000 pacientes saudáveis em alto risco genético da doença para ver se o tratamento experimental é mais efetivo do que placebo ao bloquear ou parar os sintomas, visando uma enzima que é a chave para a produção de amilóide-β.

“É nossa esperança que, ao orientar as pessoas mais cedo, teremos uma melhor chance de atrasar ou evitar o aparecimento da doença”, disse o diretor do BAI, Dr. Pierre N. Tariot, em um comunicado.

Fonte: Fortune

 

Se precisar de consultas com neurologistas, conte com a gente!