O que esperar do aborto espontâneo?

Doutor Já Avatar

Doutor Já

Redação
O que esperar do aborto espontâneo?

Aborto espontâneo: é um tópico que você nunca quer pensar sobre, muito menos discutir, especialmente se você estiver grávida. Infelizmente, é muito comum. De acordo com a American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) cerca de 15 a 20% das gravidezes terminam em aborto espontâneo. Aqui nós explicamos o que é aborto espontâneo, o que o causa, os seus sinais e mais.

O que é um aborto espontâneo?

Aborto espontâneo, o qual é definido como a perda espontânea da gravidez nas primeiras 20 semanas, é o tipo mais comum de perda da gravidez. Estatísticas coletadas pela ACOG refletem apenas o número de abortos espontâneos em gravidezes confirmadas; especialistas acreditam que o número real é muito maior. “Nós estimamos que cerca 30 a 40% de todas as concepções resultam em perda da gravidez,” diz Helain Landy, doutora em medicina, professora e cadeira do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia em Georgetown University Hospital. “Isso porque muitas mulheres têm o aborto espontâneo antes de saberem que estão grávidas, ou antes de ter sido confirmada por um profissional de saúde.”

O que causa um?

Apesar de ser comum para as mulheres pensarem se elas tiveram um aborto espontâneo devido a algo que fizeram ou não fizeram, é importante não se culpar. Aborto espontâneo não é causado por exercícios moderados, sexo, ou uma pequena xícara de café por dia. A causa mais comum, de acordo com a American Pregnancy Association (APA), é a chance de uma anormalidade cromossômica ou genética no embrião.

Outros fatores de risco incluem:

  • Uso de drogas
  • Fumar
  • Excesso de bebida
  • Listeria, uma bactéria que pode estar presente em carnes pouco cozidas, ovos crus e produtos lácteos não pasteurizados
  • Traumas maternos, como um acidente de carro
  • Anormalidades hormonais ou estruturais na mãe (como níveis baixos de progesterona ou fibróides uterinos)
  • Idade avançada da mãe (mais de 35 anos)
  • Infecções como a Doença de Lyme ou a Quinta Doença (eritema infeccioso)
  • Doenças crônicas como diabetes descontrolada, lúpus ou doença da tireóide

Quais são alguns dos sintomas do aborto espontâneo?

Sangramento no início da gravidez é relativamente comum, mas nunca deve ser considerado normal, e sempre demanda uma ligação ao seu obstetra/ginecologista, Dra. Landy diz. Apesar da presença de sangramento não indicar sempre um aborto, é um sinal de que algo anormal pode ser acontecendo na gravidez, ela adiciona. ”Mesmo se algo parecer normal, o fato de que a paciente teve sangramento vai ser mantido nas nossas mentes ao longo da gravidez dela.”

Algumas mulheres não experimentam nenhum sintoma mesmo do aborto; entretanto, possíveis sinais, além de sangrar, incluem:

  • Cólicas suaves a graves
  • Dor nas costas
  • Perda de sintomas da gravidez, como náuseas ou vômitos
  • Muco branco-rosa
  • Tecido morto ou material semelhante ao coágulo

É possível parar um aborto espontâneo se os sintomas são percebidos cedo o suficiente?

Infelizmente, não tem como impedir que um aborto espontâneo aconteça uma vez que já começou.

De acordo com a Dra. Landy, entretanto, é vital ser vista por um médico e tratar a fim de evitar hemorragias e/ou infecções.

O que é uma gravidez química?

Uma gravidez química ocorre quando um óvulo é fertilizado, mas nunca implantado no útero. O óvulo fertilizado sinaliza ao corpo para começar a produzir hCG (Gonadotrofina coriônica humana, às vezes comumente referida como hormônio da gravidez), o que pode resultar em um teste de gravidez positivo precoce – mesmo três a quatro dias antes do primeiro período atrasado de uma mulher. Infelizmente, como o óvulo falha em se desenvolver e implantar-se propriamente, nenhuma evidência clínica (como um saco gestacional ou placenta) seria encontrada em um exame de ultrassom, e a gravidez não é viável, diz a Dra. Landy.

O que acontece durante um aborto espontâneo?

“Dependendo da situação médica, o processo físico de perder a gravidez pode variar de pessoa para pessoa,” diz Jennifer Jolley, doutora em medicina, Professora assistente da Maternal-Fetal Medicine na University of Washington in Seattle. Algumas mulheres começarão a ter sangramento e cólicas, que são causados por contrações que estão trabalhando para expelir o conteúdo do útero, e pode passar grandes coágulos de sangue e tecidos. Se acontecer de forma rápida, o aborto espontâneo é geralmente completado sem nenhuma complicação para o corpo. No caso de uma falha no aborto espontâneo (quando uma mulher não tem nenhum sintoma e seu corpo essencialmente “perdeu”/não percebeu a ocorrência de morte fetal), uma droga pode ser usada para estimular as contrações.

“Se houver a preocupação da mulher poder continuar sangrando fortemente sem a passagem efetiva do tecido, a recomendação geralmente é proceder com a rápida evacuação do útero- D & C,” explica a Dra. Jolley. “Caso contrário, pode ficar perigoso para a mulher.” Dilatação e curetragem, ou D & C como é comumente chamado, é um procedimento cirúrgico para completar o aborto espontâneo. A dilatação vai abrir o cérvix, se ele ainda estiver fechado, e a curetragem remove o conteúdo do útero usando uma variedade de instrumentos de sucção e raspagem.

Quando eu posso tentar ter outro bebê após o aborto espontâneo?

O seu médico ou parteira pode recomendar a espera de certa quantidade de tempo antes de tentar conceber de novo (se não, sinta-se livre para perguntar), embora talvez você não se sinta pronta para considerar tentar conceber outro bebê por um tempo, e isso não tem nenhum problema.

Quais são as chances de outro aborto espontâneo durante a minha próxima gravidez?

De acordo com APA, pelo menos 85% que sofreram um aborto espontâneo continuarão a ter uma gravidez saudável e completa pela segunda vez.

Fonte: Parents

Se precisar de consultas com ginecologia, conte com a gente!