Uma Carta ao Meu Melhor Amigo Que Morreu Por Suicídio.

Doutor Já Avatar

Doutor Já

Redação
Uma Carta ao Meu Melhor Amigo Que Morreu Por Suicídio.

Querido melhor amigo,

Eu sinto sua falta, mas eu nunca vou lhe julgar pelo que fez.

Como eu poderia quando eu, também, sei o que é ser suicida. Quando eu também sei como é se sentir aprisionada e como se a minha vida não tivesse valor.

Eu sei que a sociedade julgou você pelas suas ações. Quando você morreu, era um crime morrer por causa de suicídio na Índia.  Isso significa, que se você tivesse sobrevivido, a lei teria lhe tratado como um criminoso. Isso parece errado. Ao invés de lhe ajudar, a lei iria lhe punir por estar mentalmente doente. Hoje, a lei mudou, mas a mentalidade social sobre o suicídio não.

Falando de doenças mentais, eu compreendo porque você não falou abertamente sobre como se sentia. Parece que o termo “doença mental” simplesmente não tem valor na sociedade indiana.

E, claro, não é feito para ser pagão. Afinal, “pessoas pagãs”, como nos dizem, são desabrigadas e desordenadas e usam roupas esfarrapadas, enquanto vivem nas ruas. Não são pessoas como “nós”, de “boas famílias” – com dinheiro e empregos.

E, você talvez até diga, é pior viver com uma doença mental como a depressão se você for homem. Afinal, homens não podem chorar. Eles não podem reclamar. Pelo contrário, eles devem ser fortes. Eles são as rochas de suas famílias. E o céu proíbe que qualquer pessoa descubra que a rocha está se desmoronando por dentro.

Mas, eu queria que você tivesse me contado- tivesse contado a alguém sobre como você estava sofrendo, sobre como você se sentia sobrecarregado e preso. E eu queria, acima de tudo, que você tivesse recebido a ajuda de que precisava.

Ao invés disso, eu tenho certeza que você ouviu as sugestões comuns de que o casamento é o remédio para depressão. O casamento, como nós dois sabemos a essa altura, é nada mais do que um eufemismo para sexo. Eu ainda não entendo por que, mas eu sei que casamento e filhos são frequentemente prescritos como a cura para muitos problemas nessa sociedade: estupro, doenças mentais, homossexualidade, depressão, dentre outros.

Eu fiz você rir, não fiz? Eu sinto tanta saudade da sua risada.

Você estava lá para mim quando a minha família precisou de ajuda. Você me ouviu enquanto chorei por meses após a minha separação. Você prometeu que sempre estaria presente quando eu precisasse de você.  Você era a minha rocha quando a vida que eu tinha planejado para mim desmoronou.

Gostaria de ter sido a almofada na qual você poderia ter descansado seus problemas.

Eu vi seus familiares e entes queridos desmoronarem quando você tirou sua própria vida. Nós dois vimos as consequências dos suicídios de outras pessoas. A morte é difícil para os vivos, acima de tudo. E a sua morte pesa sobre todos aqueles que te amam. Na última vez que nos falamos, conversamos sobre as pessoas que perdemos.

Mas, você sabe, nós somos indianos. Então, naturalmente, não conversamos sobre suicídio. Nós nos certificamos de que as mortes por suicídio não sejam listadas como suicídio na documentação legal. Nós protegemos os membros da nossa família que têm que viver com o estigma de suicídio em público, enquanto falamos dos mortos com uma mistura de vergonha e tristeza em particular. Nós nunca podemos ter um fechamento. Nós nunca podemos lamentar ou falar sobre nossa culpa.

Mas não somos apenas nós. Esse é um problema mundial. O suicídio não afeta apenas um país, uma religião ou um gênero. O mundo inteiro está sofrendo da mesma coisa que ninguém quer abordar, mas que afeta tantos.

Eu nunca lhe culparei pelo que você fez. Eu simplesmente desejo todos os dias que você nunca tivesse sentido que tirar a sua própria vida era o único meio de escapar. Eu sei que não pode ter sido uma decisão fácil, especialmente porque sei que quando a depressão não o tinha dominado, você adorava sua vida, sua família, boa comida, parques de diversões e todas as coisas que você deixou para trás.

Eu queria ter ajudado você a mudar de ideia. Eu queria ter escutado.

E, nos meus piores dias, eu queria ter ido com você.

É doloroso saber que cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio todos os anos. E apenas alguns anos atrás, a Índia tinha os maiores índices de suicídio estimados em comparação a qualquer outro país. Com a vergonha, o estigma e a predileção geral por ocultar suicídios, há alguma surpresa por quê?

Não nos esqueçamos das muitas pessoas que pensam em se matar ou tentam fazê-lo e sobrevivem. Elas recebem a ajuda de que precisam, ou acabam por sucumbir ao estigma social, sentindo-se envergonhadas, fracas e mais sozinhas do que nunca.

Mas isso não é sobre estatísticas. É sobre pessoas. É sobre vida.

É sobre eu não ter mais você na minha vida. É sobre eu me sentir culpada por não ter percebido que você estava sofrendo. É sobre eu me sentir culpada por ser cúmplice em sua morte. É sobre saber que temos um problema sério quando quase um milhão de pessoas toma suas próprias vidas todos os anos e nós viramos a cabeça e olhamos para o outro lado.

É sobre pôr fim ao estigma, à vergonha e ao ostracismo de nossos amados que estão sofrendo. Já é hora de conversarmos sobre o suicídio, como falamos de doenças infecciosas, e como podemos corrigi-lo.

E é sobre as saudades que sinto de você. Todo dia.

Sua melhor amiga.

Fonte: Healthline

 

Procure ajuda médica imediatamente se estiver tendo pensamentos suicidas.