Você sabe o que é Galactorréia?

Doutor Já Avatar

Doutor Já

Redação
Você sabe o que é Galactorréia?

O que é Galactorréia?

Galactorréia é a produção de leite em homens ou mulheres que não estão amamentando, sendo um distúrbio hormonal.

  • A causa mais comum da galactorréia é um tumor na glândula pituitária.
  • A galactorréia pode causar uma produção inesperada de leite e infertilidade tanto nos homens quanto nas mulheres.
  • O diagnóstico é baseado na medição dos níveis do hormônio prolactina no sangue.
  • Exames imagiológicos podem ser feitos com o objetivo de procurar a causa da condição.
  • Os remédios podem não parar a produção de prolactina, isto é, hormônio que estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias. Quando isso acontece, diminuem o tumor com cirurgia ou, em alguns casos, radioterapia pode ser feita.

Em ambos os sexos, a causa mais comum de galactorréia é um tumor que produz prolactina (prolactinoma). Localizado na glândula pituitária ou hipófise, que liga o cérebro ao sistema endócrino. Os tumores tendem a ser maiores nos homens do que nas mulheres, provavelmente porque são notados depois de período.

Esse distúrbio hormonal, também pode ser causada por certos medicamentos indicados para pressão alta (especialmente metildopa), opioides e pílulas anticoncepcionais.

Além disso, por certas desordens fora da pituitária. Tais distúrbios incluem a glândula tireóide hipoativa (hipotireoidismo), doença renal crônica, doença hepática e certos tipos de câncer de pulmão.

Não tem Plano de Saúde? Conheça agora o Cartão Doutor Já!

Sintomas da galactorréia

Apesar da produção inesperada de leite ser o único sintoma do prolactinoma, muitas mulheres também param de menstruar (amenorreia). Mulheres com prolactinomas, têm níveis mais baixos de estrogênio, o que pode levar à secura vaginal e desconforto durante relações sexuais.

Cerca de dois terços dos homens com prolactinomas perdem o interesse em sexo (libido reduzido) e têm disfunção erétil. Algumas mulheres também têm libido reduzido e hirsutismo, isto é, crescimento excessivo de pelos no rosto e corpo. Um nível elevado de prolactina pode causar infertilidade em homens e mulheres.

Quando o prolactinoma é grande, ele pode pressionar os nervos do cérebro que estão localizados logo acima da glândula pituitária. Isso pode fazer com que a pessoa tenha dores de cabeça ou fique cega em campos visuais específicos.

Diagnóstico

  • Medição do nível de prolactina no sangue
  • Tomografia computadorizada ou ressonância magnética

Geralmente, suspeita-se do diagnóstico em mulheres quando os períodos menstruais são reduzidos, ausentes ou quando o leite mamário é produzido de forma inesperada. Também suspeita-se em homens com libido reduzida e menores níveis de testosterona no sangue.

O diagnóstico é confirmado ao observar um alto nível de prolactina no sangue.

A tomografia computadorizada (TC) ou a ressonância magnética é feita a fim de procurar por um prolactinoma ou outro tumor perto da glândula pituitária. Se nenhum tumor for detectado e não há nenhuma causa aparente de alto nível de prolactina (por exemplo, um remédio), um tumor pituitário ainda é a causa mais provável, particularmente nas mulheres. Nesse caso, o tumor é provavelmente muito pequeno para ser visto numa tomografia.

Se o prolactinoma estiver grande nos estudos de imagem, um oftalmologista irá examinar os campos de visão da pessoa devido a possíveis efeitos na visão.

Tipos de tratamento

  • Remédios para bloquear a produção de prolactina
  • Cirurgia ou radioterapia

Podem ser dados medicamentos que imitem a dopamina, substância química no cérebro que bloqueia a produção de prolactina. Eles incluem bromocriptina e cabergolina. Esses remédios são usados por via oral e são eficazes apenas enquanto são tomados. Eles raramente resultam na cura do tumor.

Na maior parte das pessoas, esses remédios diminuem os níveis de prolactina o suficiente para restabelecer os períodos menstruais e aumentar os níveis de estrogênio nas mulheres e testosterona nos homens. Além disso, eles geralmente diminuem o tumor, qualquer problema de visão e são capazes de restaurar a fertilidade.

A cirurgia também é eficaz no tratamento de pequenos prolactinomas, mas geralmente, não é usada como primeira opção, porque o tratamento com remédios é seguro, eficaz e fácil de usar.

Recomendações para o tratamento

Quando os níveis de prolactina não estiverem altos e a ressonância mostrar apenas um pequeno prolactinoma ou nenhum, o médico pode não recomendar um tratamento. Essa recomendação é apropriada para mulheres que não possuem problemas para engravidar, como resultado do alto nível de prolactina e homens cujo nível de testosterona não é baixo.

Baixos níveis de estrogênio geralmente acompanham a amenorreia e aumentam o risco de osteoporose em mulheres. Baixos níveis de testosterona aumentam o risco de osteoporose em homens.

Para superar os efeitos dos baixos níveis de estrogênio, contraceptivos orais que contêm o hormônio podem ser dados a mulheres, que não desejam ficar grávidas. Apesar do tratamento com estrogênio não estimular o crescimento de pequenos prolactinomas, recomenda-se uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética a cada ano.

Mesmo quando a cirurgia é necessária, os remédios similares à dopamina podem ajudar a diminuir o tumor antes da cirurgia. O uso desses medicamentos é indicado após a cirurgia, porque é improvável que um grande tumor secretor de prolactina seja curado com a cirurgia.

Não é aconselhado tomar os remédios similares à dopamina, quando a pessoa possui tumores pequenos e mulheres após a gravidez. A radioterapia é necessária algumas vezes, como em relação a outros tumores hipofisários (da glândula pituitária), quando o tumor não responde ao tratamento médico ou cirúrgico.

Fonte: Manual Msd

Não tem Plano de Saúde? Conheça agora o Cartão Doutor Já!